Buscar no portal:

Imagem colorida de linfonodo axilar acometido por câncer originário da mama

O que você deve saber sobre o ultrassom Doppler

Você já deve ter visto um estudo Doppler do fluxo dos vasos sanguíneos complementando um estudo ultrassonográfico de algum órgão ou estrutura que você tenha realizado.

Você já deve ter ouvido falar sobre o ultrassom Doppler, mas pode não saber direito o que é, para o que serve ou ter algumas dúvidas sobre ele. O American Institute of Ultrasound in Medicine (AIUM)- EUA, a sociedade americana dos ultrassonografistas, analisou e respondeu algumas das dúvidas mais comuns, para auxiliá-lo a compreendê-lo.

O que é Doppler?

Ultrassom Doppler é uma forma especial de ultrassom usado para avaliar os movimentos, principalmente os do fluxo sangüíneo no interior dos vasos e do coração. Existem vários tipos de ultrassom Doppler:

  • DOPPLER DE ONDAS CONTÍNUAS: este tipo de ultrassom Doppler usa a freqüência das ondas sonoras para medir o fluxo sanguíneo dos vasos. Ele pode avaliar uma área bloqueada ou estenosada de um vaso e mostrar,através de uma rápida estimativa, a extensão do vaso acometido pela doença.
     
  • DOPPLER DUPLEX: é o método que associa a figura dos vasos e dos órgãos ou estruturas ao seu redor, ao mesmo tempo em que o equipamento mostra a velocidade e direção do fluxo sanguíneo nos vasos, após converter a onda sonora para gráficos que informam esses dados. Com este tipo de exame é possível ver as estruturas em imagens bidimensionais e, ao mesmo tempo, avaliar o fluxo sanguíneo dentro das estruturas. Atualmente é freqüente sua associação com o Doppler colorido, quando passa a ser denominado Doppler-duplex colorido.
     
  • DOPPLER COLORIDO: é o método usado para produzir a imagem do vaso em duas dimensões. O equipamento converte a onda sonora em cores para que a imagem do vaso seja vista e as várias tonalidades representadas mostram as velocidades e a direção do fluxo sanguíneo no interior dos vasos. Depende do ângulo que o vaso está sendo examinado para que ele seja visto, ou seja, nem todos os vasos existentes serão mostrados.
     
  • POWER DOPPLER: é uma nova técnica de ultrassom, cinco vezes mais sensível do que o Color Doppler, mostrando muito mais vasos e de menores calibres. Ele pode obter imagens que são difíceis ou até mesmo impossíveis de serem obtidas pelo Color Doppler, pois não depende do ângulo que o vaso está sendo examinado para ser visto. É conhecido também como angiografia ultrassônica, pois consegue fazer um mapa muito preciso da distribuição da irrigação sangüínea nos órgãos e estruturas. Entretanto, não consegue detectar a direção do fluxo sanguíneo no interior do vaso, pois analisa a intensidade do sinal e não a sua direção.
     

Porque fazer um ultrassom Doppler?

O exame de Doppler ultrassom frequentemente chamado de scan, guia o médico em relação a informações sobre os vasos sanguíneos e sobre o que passa através deles. É um bom exame para avaliar problemas dentro de veias e artérias. Os lugares onde o estudo Doppler é mais utilizado são: cabeça e pescoço (tireóide e paratireóide), mamas, pelve feminina (útero e ovários) e masculina (próstata), bolsa escrotal, abdome e membros. Os vasos trombosados não mostram imagem a cores nos seus lumens, pois não há sangue movimentando-se no interior dos mesmos.

No pescoço é usado para:

  • estudo das artérias carótidas, nas quais o fluxo sangüíneo pode estar
  • bloqueado e esse bloqueio pode levar ao AVC (derrame);
  • analisar o padrão de vascularização da tireóide e dos nódulos que contenha (ajuda diferenciar os benignos dos malignos, tireóides inflamadas das sem inflamação);
  • estudar a irrigação sangüínea das paratireóides (ajuda a diferenciar nódulos tumorais dos linfonodos);
  • estudar o padrão de vascularização das glândulas salivares (ajuda a diferenciar nódulos císticos dos sólidos e benignos dos malignos);
  • estudar o padrão de vascularização dos linfonodos cervicais (ajuda a diferenciar os inflamados dos não inflamados, os malignos dos benignos).

Nas mamas pode avaliar:

  • o padrão de vascularização de nódulos sólidos e mistos (auxilia na diferenciação dos benignos e malignos);
  • o padrão de vascularização de nódulos císticos e mistos, diferenciando os inflamados (abcessos) dos não inflamados (cistos, galactoceles, linfoceles);
  • o padrão de vascularização das mamas, distinguindo as de alto risco das risco normal para neoplasia maligna.

No abdome pode avaliar:

  • o fluxo sanguíneo do fígado (nos casos de cirrose, determinando a presença e gravidade da hipertensão portal, pós a colocação de stents para correção de hipertensão portal, nos nódulos, diferenciando os benignos dos malignos);
  • pesquisa de circulação colateral em hipertensão portal ou tromboses;
  • estudo dos vasos renais (determina se a hipertensão arterial é de origem renal, por estenose ou oclusão das artérias renais, diagnóstico de infartos renais, diferencia os nódulos renais benignos dos malignos, auxilia na diferenciação das hidronefroses obstrutiva das não obstrutivas);
  • estudo do baço (caracterização do baço acessório, de áreas de infarto);
  • na aorta abdominal e artérias ilíacas (para determinar a presença de aneurismas nesses vasos e seguí-los até que haja indicação cirúrgica; diagnóstico e quantificação da estenose vascular).

Na pelve pode avaliar:

  • padrão de irrigação sangüínea do útero, do endométrio e de nódulos aí presentes, determinando se são benignos ou malignos;
  • determinação do padrão de irrigação sangüínea das massas anexiais (diferencia as benignas das malignas, as inflamatórias das não inflamatórias, suspeita de torção ovariana, diferenciação de nódulos císticos com conteúdo espesso dos sólidos).

Na próstata pode avaliar:

  • se há áreas de hipervascularização, especialmente na zona periférica, local de aparecimento da maioria dos cânceres de próstata. Particularmente útil nos casos de tumores muito agressivos e pouco diferenciados, os quais não são detectáveis pelo teste do PSA (dosagem sangüínea do antígeno específico da próstata). Auxilia a direcionar a biópsia para os locais de maior vascularização, que tem até 70% de câncer;
  • auxilia na detecção de inflamação crônica da próstata e de áreas de necrose/infarto.

Na bolsa escrotal para:

  • determinar o padrão de vascularização dos testículos e epidídimos quando há dor aguda da bolsa escrotal, pois pode detectar se houve torção (ausência de sangue no testículo, que requer cirurgia de emergência), inflamação (muito sangue e com pulsação anômala), se há tumor (padrão anômalo de vascularização, com neovasos, podendo exibir uma área avascular de necrohemorragia, que explicaria a dor aguda;
  • para análise de massas e veias dilatadas da bolsa escrotal

Nos membros:

  • é usado para identificar aneurismas, estenoses e tromboses em artérias e veias dos membros superiores e inferiores.

O exame é doloroso e requer algum preparo especial?

Não há dor e também não é necessário preparo para realização desse exame. Os médicos costumam perguntar se houve alimentação pela manhã quando é avaliado o abdome superior. O gel é aplicado sobre a pele para obter melhor contato.

O que ocorre durante o exame?

As imagens produzem um retorno de ecos de um ou mais monitores, os quais se parecem como uma pequena TV. Há um retorno das ondas sonoras que são refletidas com o movimento do sangue e pode-se ouvir o som do fluxo sanguíneo no interior dos vasos. A sala de exame deve estar na penumbra para facilitar a identificação dos detalhes de cor e da imagem pelo médico ultrassonografista.

Quanto tempo leva o exame?

Aproximadamente de 30 a 60 minutos. O tempo dependerá de vários fatores e de quantos vasos sangüíneos serão examinados, assim como da complexidade da anatomia. Na presença de aterosclerose, os vasos podem apresentar maior dificuldade para sua avaliação.

Quem é o examinador?

No Brasil, por determinação do CFM - Conselho Federal de Medicina, somente um(a) médico(a) pode realizar e interpretar os exames de ultrassom. Para isso ele(ela) irá obter registros em série da próstata, para depois interpretá-los, relatando e concluindo sobre todas as lesões observadas. Esta interpretação não poderá ser disponível imediatamente após o seu exame, pois é tão ou mais complexa do que a realização do exame. Em alguns casos o seu médico irá necessitar de uma biópsia ou de outros exames laboratoriais, para esclarecer algum achado dúbio ou incerto. Em nossa clínica o(a) médico(a) examinador(a) é especialista na área ultrassonográfica e muito bem preparado(a) profissionalmente para utilizar as principais técnicas neste exame.

Apenas um exame é necessário?

Em muitos casos o retorno é necessário para avaliar o progresso e a resposta terapêutica.

Ultrassom é um exame seguro?

O AIUM tem um comitê de efeitos biológicos que regularmente se reúne com o FDA - Food and Drug Administration, o PROCON dos norte-americanos, para reportar os efeitos e segurança do ultrassom. O ultrassom é um feixe de onda cuja energia é mecânica e muito fraca, tendo sido extensamente estudado desde a década de 50 e, até o presente, não foi relatado nenhum efeito nocivo associado ao seu uso para diagnóstico médico, motivo pelo qual o FDA permite que seja utilizado em qualquer pessoa, inclusive gestante.

Embora não exista qualquer efeito prejudicial conhecido relacionado ao uso médico do ultrassom diagnóstico, ele poderá vir a ser descoberto no futuro. As informações disponíveis até o momento indicam que os benefícios para os pacientes ultrapassam os riscos eventuais, se por acaso vierem a existir.

Não é relatado nenhum efeito nocivo com relação à associação do ultrassom com a medicação usada pelo paciente.

Quanto custa?

O preço dependerá do tipo exame a ser realizado (alguns são de maior complexidade e requerem mais tempo de exame e maior quantidade de fotos) e do tipo de equipamento utilizado.